Wednesday, April 25, 2007

Eu tinha grandes planos para a Quinta…

Primeiro ia correr mundo e fazer fortuna. Não me levem a mal, não sou ambiciosa, mas desde miúda que tenho bem a noção de que aquele baú de memórias que desde o Monte Molião observa Lagos ao longe vale uns valentes tostões.
Então sim. Ia correr o mundo. Recolher experiências aqui e ali, atá-las com uma guita e trazê-las às costas no regresso juntamente com a tal fortuna.
Comprava a Quinta e o negócio fechava-se em família. A partir daí ia desenhando os seus muros e paredes, as suas portas e janelas, o seu telhado e a chaminé, a sua torta calçada, à semelhança de cada lembrança.
Dava cor às paredes rasgadas da casa, cobria os arranhões de tantos anos de branco e pintava os lábios das janelas a azul. Envernizava a madeira das portas, mas deixava o ranger confidente, esse ranger soa a antigo, soa-me bem. Ao telhado sobre o alpendre devolvia-lhe a vida, que ele há anos que tenta beijar o chão. E nas grades onde o Sr. Viegas desistiu de tudo, devolvia-lhes o verde vivo e robusto e o brilho que ecoaria até ao outro lado de Lagos.
Os muros que separam a Quinta da estrada, que circundam o pequeno jardim com árvores de frutas, que separam os pequenos campos ao longo da propriedade, e que costumavam cercar os animais para que não fugissem por aí doidos pelas ruas de Lagos, voltaria a erguê-los. Acho que há anos que eles vêm adivinhando o seu triste fim, então têm vindo também gradualmente a desistir, a desmoronar… Mas não! Nos planos que eu tinha para a quinta, estes muros voltariam a ser duros, rijos, ruins de deitar a baixo! Nem uma pedrinha de areia eu deixaria que se desfiasse. Afinal de contas, as figueiras continuam a dar figos, as romãzeiras brotam as suas romãs, a palha continua a ser enfardada, os animais continuam a pastar, e há que velar por todos eles porque há por aí muito bandido a arriscar a liberdade por um figo do Monte Molião.
Entretanto, poria fim à soberania das ervas daninhas. Estão agora tão grandes que parecem ambicionar destronar as oliveiras das suas alturas. Mas isso, com uma enxada damos-lhe a volta. Paz às suas almas, mas é que na tela que eu pintei da quinta elas não têm lugar.
Em cada canto deste lugar encantado voltaria a haver vida. As galinhas voltariam a digladiar-se pelas folhas de espinafres que deitaríamos para dentro do galinheiro para espicaçá-las, um ou outro galo anunciariam de novo a madrugada sem se saber bem de onde, os coelhos sem conta regressariam àquele armazém forrado a palha, as vacas e os bezerrinhos aconchegar-se-iam outra vez no estábulo que sempre lhes pertenceu, o Sr. Manel voltaria a dar uso às latrinas de leite das suas vaquinhas, o Sr. Joaquim olearia os motores e ferros das máquinas agrícolas e voltaria a passeá-las pelos campos e a cultivar o que quer que fosse, e o João Borralho continuaria a meter o bedelho em todos os assuntos da quinta e a carregar sacos de tudo e mais alguma coisa para trás e para diante. Na casa do Sr. Joaquim voltaria também a haver aquele pão fresco que ele partia com a mão e que partilhava comigo todas as tardes, esse pão que não encontro igual. Enfim, o Molião voltaria a ter sentido.
Imortalizava a lenda de que na casa da bruxa havia uma bruxa que tinha um gato preto e um caldeirão sempre a ferver, e de que no fundo do poço havia um gigante que saltava cá para fora se nos assomássemos a espreitar a água lá no fundo.
Deixaria no jardim a mesma mangueira amarelada do tempo que tantas vezes nos tirou a areia dos pés e do corpo no regresso da praia, e todos os dias regaria as flores e as árvores e sentiria com gosto o cheiro a terra molhada.
Todos os dias também espreitaria pela janela e encontraria espelhado no vidro o meu sorriso ao ver o Frederico a correr pela ladeira abaixo a gritar que tinha visto uma cobra, o Felipe a procurar comigo um bom esconderijo, a Teresinha a pentear as bonecas no banquinho do quintal, a Mãe a sacudir energicamente sacos, pés e toalhas, e a dar-nos uma mangueirada de água fria sem piedade, para que nem um único bago de areia tentasse recriar a praia dentro de casa, o Pai a soprar esbaforido o seu apito “von Trapp” para reunir as tropas na hora de jantar. E à Méme veria com certeza empoleirada no muro do jardim a roubar nêsperas sempre com o seu cuidado de não interromper a digestão. A música seria sempre a mesma: o riso da Avó Graça e a sua voz ternurenta a dizer “Olha a minha neta!”, ou a contar as aventuras do Touro Azul…
Mas agora a quinta foi vendida. Provavelmente dará lugar a um daqueles condomínios gémeos que têm no preço aquilo que não têm em histórias. Talvez daqui por uns milhares de anos, quando o Monte Molião voltar a ser monte, algum arqueólogo curioso desenterre acidentalmente uma fotografia, um brinquedo partido, um berlinde perdido, uma bola furada… Enfim… Um rasto daqueles que foram dias tão Felizes.

10 Comments:

Blogger Concha said...

Querida Gracinha, o teu texto comoveu-me muito. Que pena tão grande as coisas boas não durarem para sempre, ou não poderem ser recuperadas... Gostei muito, muito do que escreveste.

11:01 PM  
Blogger Makejeite said...

This comment has been removed by the author.

2:53 PM  
Blogger Makejeite said...

É,... fiquei comovido e sem palavras mais que as que te posso dizer conhecendo, como conheço, um pouco dessa história. São as "coisas" da vida que agente tarda em saber controlar. São as "coisas" que nos fazem colocar a questão se valerá mesmo a pena. O que vale, e bem, a pena e ler-te.

2:55 PM  
Anonymous Filipe said...

Querida irmã! Não consegui deixar de chorar com o teu texto! São tempos fantásticos que todos passámos e que já não voltam para trás! Só faltou falares da vez em que chutaste a bola com tanta força que partiste um bocado do muro!! A única forma de podermos compensar tudo isso é aproveitarmos sempre para estarmos juntos e nunca deixarmos de ser muito unidos, como sempre fomos, mesmo quando eu te tirava do sério ou quando andava ao "sopapo" com o Fred! Adorei!! E adoro-te!! Um Beijinho Muito Grande!!

12:50 AM  
Blogger Tiago Cabral said...

Gracinha,
Quase chorei ao ler as tuas maravilhosas palavras.
Também a minha familia vendeu este ano "A Quinta" para a qual todos os primos tinham planos de comprar um dia.
Vai-se a quinta mas ficam as recordações, os sonhos e este teu belo texto.

12:44 PM  
Blogger Ines said...

This comment has been removed by the author.

1:35 PM  
Blogger Ines said...

Nao conheci o Monte Moliao... mas atraves do quadro perfeito que pintaste consegui de certa maneira ve-lo! E tambem me fizeste recordar do meu "Monte Moliao" em Evora e de todos os momentos que lá passei. Agora passou-lhe uma autoestrada em cima... Mas espero ter sempre vivas essas recordaçoes do que era tudo "antigamente"!
Beijinhos!

1:39 PM  
Blogger Makejeite said...

Voltei aqui para reler um texto de eleição. Mas tenho esse direito já que estou na segunda fila dos "fans". Bjsss

5:14 PM  
Blogger Carlinha said...

Ó Graçinha, arrepiei-me e caiu uma lágrima ao ler este teu texto. Cheio de memórias tão vivas ainda dentro de ti. Este texto és mesmo tu, como te conheci... A menina de cabelos ao vento, fiel às tradições e ao bom da vida, da família, dos valores que nos unem a quem nos ama, daquilo que vivemos juntos... Ficam para sempre em ti. Porque tu és assim. Um beijinho e nunca deixes de ser como és.

9:01 PM  
Blogger seilá said...

Gracinha e a descrição, menina, só podia ser esta família e envio-te, derretida, um beijinho :)

9:05 AM  

Post a Comment

<< Home